notícias noticias
notíciapré-candidato

Tereza Campello: deixar a fome voltar foi opção do governo Bolsonaro

30/06/2022 - 20h06min

Um dos saldos mais cruéis de três anos e meio de Jair Bolsonaro na Presidência são os 33 milhões de brasileiros que passam fome e os 65 milhões (número equivalente à população da França) que não comem o suficiente e são obrigados a pular uma das refeições diárias. 

Os dados estão em evidência, mas pouco se fala sobre as causas dessa tragédia, afirmou a ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, em entrevista ao Jornal PT Brasil, nesta última quarta-feira (29). “A grande imprensa diz que isso aconteceu devido à pandemia. Não é verdade. Se a gente comparar o Brasil com outros 120 países, o Brasil piorou quatro vezes acima da média desses outros países”, ressaltou Campello, citando pesquisa divulgada recentemente pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Para a ex-ministra, a fome e a insegurança alimentar são resultados das escolhas feitas pelo atual governo. O Brasil, lembrou Campello, tinha condições de ser um dos mais bem sucedidos na proteção da população ao longo da pandemia, por contar com o Sistema Único de Saúde (SUS), um sistema de segurança alimentar que estava bem estruturado e experiência técnica no combate à pobreza e à fome.

“Portanto, poderia ter enfrentado a pandemia de outro jeito. Foi uma opção do governo deixar as pessoas morrerem por conta do coronavírus, como aconteceu. E foi uma opção, também, não tomar medidas que prevenissem essa tragédia de segurança alimentar que a gente está vivendo”, argumentou.

Entre as opções feitas pelo governo Bolsonaro e que favoreceram a volta da fome, Tereza Campello destacou o desmonte de políticas de segurança alimentar, como o apoio à agricultura familiar, o Programa de Aquisição de Alimentos e o programa de cisternas. Além disso, o fim da política de valorização do salário mínimo e o desmonte da lei trabalhista tiveram um efeito criminoso. “Quem está na informalidade, sem carteira assinada, corre três vezes mais risco de cair em situação de fome”, informou Campello.

Com Bolsonaro, fome cresceu ano a ano

Sem o devido apoio à agricultura familiar, o preço dos alimentos mais consumidos pelos brasileiros está cada vez mais alto. Ao mesmo tempo, o trabalhador tem cada vez menos dinheiro para comprar comida. Houve, assim, uma inversão do que ocorreu nos governos do PT.  “Nos governos Lula e Dilma, ano a ano, a insegurança alimentar caiu. Se olharmos o governo Bolsonaro, ano a ano a insegurança alimentar cresceu. E isso começou a acontecer antes da pandemia”, observou.

Diante dessa situação, cada vez mais famílias trocam alimentos saudáveis por comida ultraprocessada. Deixa, por exemplo, de comer arroz para comer macarrão instantâneo. Troca a carne por salsicha. E, assim, a obesidade e a desnutrição começam a aparecer em larga escala.

“O governo tinha que viabilizar o acesso à alimentação, à renda e aos produtos saudáveis”, defendeu Campello. “Isso é tarefa do governo? Sim, é tarefa do governo fazer política de segurança alimentar e nutricional. Inclusive é um dispositivo da Constituição Federal, que diz que a população tem direito à alimentação adequada e saudável. Para garantir esse direito tem que haver políticas públicas”, completou.

Com informações do site pt.org.br


confira também
Governos Lula, Dilma, Olívio e Tarso dei…
08 ago 2022notíciapré-candidato

Palavra de gaúcho: Em debate, Edegar Pre…
08 ago 2022notíciapré-candidato

Candidatura de Edegar Pretto é registrad…
05 ago 2022notíciapré-candidato

Eleições 2022: Edegar Pretto participa d…
05 ago 2022notíciapré-candidato

Assembleias temáticas vão aprofundar Pla…
05 ago 2022notíciapré-candidato

Olívio Dutra: o eterno governador de tod…
05 ago 2022notíciapré-candidato