Retomada econômica, desenvolvimento regional, educação e saúde nas pautas de Edegar Pretto na Serra

Os dois últimos dias do roteiro de trabalho do deputado Edegar Pretto (PT) na Serra Gaúcha foram de agenda cheia e temas diversos. Com o propósito de escutar todas as áreas e setores produtivos do Rio Grande do Sul, o parlamentar lidera desde o início de setembro o movimento “Rio Grande e presente, para toda a sua gente”. Ele é o pré-candidato, escolhido pelo Partido dos Trabalhadores (PT), ao Governo do Estado nas eleições de 2022. “Esse é o maior desafio da minha vida. Depois de três mandatos de deputado estadual, e tendo a honra de ser o presidente da Assembleia Legislativa em 2017, eu tenho muita coragem e fé de que é possível pensar um estado para todos, com a atenção voltada às necessidades reais de cada localidade”, enfatizou Pretto.

Na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul (CIC), o parlamentar foi recebido pelo presidente atual da instituição, Ivanir Gasparin, e o seu sucessor na gestão que começa em janeiro, Celestino Oscar Loro. O encontro também teve a participação de outros integrantes do quadro gestor da CIC e do diretor do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul e Região (SIMECS), Carlos Zignani.

Gasparin disse que a CIC é uma aliada dos governos para melhorar a vida dos empresários e a vida de todos, recolhendo impostos para que o Estado possa fazer a sua parte social, principalmente. Ele criticou o papel do Estado e apontou falhas no incentivo ao desenvolvimento, no atendimento à sociedade e na segurança. Falou também da importância de Caxias do Sul, no contexto do RS. “Somos a segunda maior cidade do estado, mas não é só isso, nós representamos a Serra Gaúcha, são praticamente 50 municípios que dependem direta ou indiretamente da nossa cidade e que nós também dependemos deles”, pontuou o presidente.

Por sua vez, Zignani disse que o SIMECS atua em 49 municípios, e que o grande problema detectado é o de infraestrutura. Ele defende a duplicação da Rota do Sol e uma possível reativação do transporte ferroviário. “Temos um custo logístico alto. É preciso investimento em rodovias. Somos competitivos até o portão da fábrica, depois enfrentamos um custo de 20% no transporte”, observou.  

Para Edegar Pretto essa foi uma excelente oportunidade de ter um diálogo franco e transparente com uma entidade que é tão importante para o PIB do RS. “Escutar deles sugestões de como o Estado pode ter uma participação mais efetiva nos setores produtivos que eles representam, é muito importante. O Estado tem que fazer a diferença na vida das pessoas, tem que se importar com quem gera emprego, ser um parceiro de quem produz. Queremos um Estado que gere oportunidades para que possamos ter um novo momento nas finanças públicas e, consequentemente, podermos ter um cuidado maior com aqueles que mais precisam”.

Na Universidade de Caxias do Sul (UCS), o deputado Edegar Pretto foi recebido pelo reitor Evaldo Antonio Kuiava, que também é presidente do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas (Comung), e  reforçou o compromisso com a educação, especialmente a superior pública e privada, bem como os Institutos Federais, instituições que vêm sofrendo com cortes de recursos por parte do Governo Federal. “As universidades abrem as portas do conhecimento e das oportunidades. Eu acredito que o estado deve aproveitar muito mais o que é produzido nas nossas universidades. Precisamos inseri-las no contexto do desenvolvimento de cada região”, ressaltou Pretto.

O reitor da UCS reafirmou a disposição das universidades comunitárias em abrir as suas portas para fazer conexões com os setores produtivos e impulsionar o conhecimento nas regiões. Além da necessidade de políticas públicas para investir em projetos de inovação, pesquisa e extensão, para que a patente da universidade se transforme em emprego e renda, Kuiava citou a principal demanda das universidades comunitárias: o repasse de 0,5% do orçamento, garantido pelo artigo 201 da Constituição Estadual, que está sendo feito pelo Governo do Estado. As 14 universidades que formam o Comung deixaram de receber, no ano passado, cerca de R$ 69 milhões, valor  que daria para formar mais de sete mil estudantes. 

Edegar Pretto também se reuniu com a direção do Hospital Geral da Fundação Universidade de Caxias do Sul, falou do movimento de escuta da população do estado e das dificuldades vividas na área da saúde com a pandemia de COVID-19.  “Queremos manifestar a nossa solidariedade e o nosso carinho a todos os profissionais de saúde, que trabalharam incansavelmente durante a pandemia, às famílias que perderam entes queridos e às pessoas que ainda estão se recuperando em hospitais ou de sequelas trazidas por essa doença”, disse o deputado.

Para o diretor geral do hospital, Sandro Junqueira, o encontro foi muito importante, porque o Hospital Geral depende muito da parceria com o poder público. “A nossa missão aqui é atender os pacientes SUS com a melhor qualidade e com muita humanização. Hoje a nossa principal dificuldade é a demanda reprimida. Precisamos de mais recursos para terminar de construir um hospital e para poder dar suporte às patologias que deixaram de ser tratadas em decorrência da pandemia, principalmente os pacientes que precisam de tratamento oncológico, cardiológico e vascular”, explicou.

Transporte, cultura, religião e política

Em Caxias, Edegar Pretto também se reuniu com o ex-governador Germano Rigotto (MDB). Na pauta, a dívida dos Estados com a União, pois ambos são favoráveis à soma de esforços em uma mobilização para revisão da dívida. Germano Rigotto, que governou o RS no período de 2003 a 2006, e o governador Olívio Dutra foram os que mais pagaram essa conta, quitando em torno de R$ 2 bilhões por ano. 

O deputado também se reuniu com lideranças evangélicas do município, com os quais falou da sua história, do legado do seu pai Adão Pretto, entre outros assuntos. Também marcou presença na 37ª Feira do Livro de Caxias do Sul. 

Na noite de sexta-feira (10), Pretto esteve com o deputado Pepe Vargas no jantar de comemoração dos 24 anos da Guarda Municipal. A instituição foi criada para ampliar as atribuições de preservação do patrimônio público, proporcionando mais segurança aos prédios e usuários desses locais. Ela foi uma conquista de 1997, criada pelo então prefeito, Pepe Vargas (PT).

No sábado pela manhã, Edegar Pretto foi recebido na Cooperativa de Mobilidade do Rio Grande do Sul (Comobi), pelo presidente Márcio Guimarães. A cooperativa inovou ao criar o Liga by Comobi, um aplicativo de transporte e uma alternativa para demandas especializadas. Ela garante um preço justo ao passageiro e uma maior rentabilidade ao motorista associado.

“Já temos motoristas que vivem só do trabalho da cooperativa. Nossos esforços agora são para expandi-la”, ressaltou Guimarães. “A experiência é fantástica e com a ajuda do Estado é possível ampliar essa organização cooperativada, porque viver do transporte de aplicativo da forma tradicional tem sido um verdadeiro desafio”, comentou Pretto, que também convidou a Liga Comobi a aderir ao Programa Aqui tem Respeito pelas Mulheres, organizado pelo Comitê Gaúcho Eles Por Elas da ONU Mulheres, do qual o deputado é o coordenador. A iniciativa tem como objetivo combater situações de assédio, violência ou machismo contra as mulheres.

A conclusão do roteiro de trabalho foi na posse da nova coordenação regional do PT da Serra Gaúcha, em Caxias do Sul. A atividade reuniu representações de 21 municípios da região. O evento teve a participação de lideranças do PCdoB, de sindicatos, do deputado Pepe Vargas, dos vereadores Denise Pessôa e Lucas Caregnato, ambos do PT de Caxias, além de dirigentes, militantes e apoiadores do Partido dos Trabalhadores. “Estamos firmes e fortes, e a nossa união vai fazer a diferença. Somos uma força extraordinária. Saio de Caxias do Sul com a certeza de que a semente que estamos plantando está bem cuidada”, salientou Edegar Pretto.