Pequenos hospitais do Alto Uruguai pedem socorro para não fecharem as portas

A principal demanda dos pequenos hospitais é ter um programa de incentivo do governo que garanta a sua sobrevivência. Eles também pedem mobilização política e o apoio da bancada do PT na Assembleia Legislativa, pois encontram muita dificuldade em discutir a saúde com o governo atual. Ainda cobram investimentos do governo do Estado. O maior receio dos gestores das instituições e das prefeituras é que esses hospitais tenham que fechar as portas.

A reunião de Edegar Pretto com representantes da área da saúde na região do Alto Uruguai aconteceu na sexta-feira (19), em Aratiba, e atendeu a uma demanda dos 16 pequenos hospitais que lutam por mais estrutura de atendimento, tanto na questão econômica quanto na criação de legislação específica e mais simplificada que permita o atendimento completo da população. O deputado abriu a conversa reconhecendo a importante luta dos profissionais da saúde durante a pandemia. “Saúde é um setor que não parou. Vocês estão na luta dando, muitas vezes, a vida para salvar vidas. Quantos profissionais da saúde morreram antes da vacina, muito pelo descaso do governo”, lembrou com emoção.

Segundo o prefeito de Gaurama, Leandro Puton, são 16 hospitais na região e parte deles depende de uma legislação específica para continuar funcionando. “Primeiro nós precisamos ter a legislação para que os nossos hospitais existam, para a partir dela construir os caminhos e as lutas que vão incluir, inclusive, recursos para esses pequenos hospitais, desonerando os municípios que mensalmente aportam valores para que a saúde possa acontecer em cada um deles”, explicou o prefeito.

Para o deputado Edegar Pretto, fechar hospitais não é aceitável. “Temos que construir uma política nova de saúde, levando em conta um constante e permanente diálogo com os municípios e as regiões. Esse é o meu comprometimento com vocês”, assegurou.

Estiveram no encontro representantes dos municípios de Aratiba, Itatiba do Sul, Mariano Moro, Gaurama, Benjamin Constant, Jacutinga, Erval Grande e Barão de Cotegipe. Também acompanharam prefeitos, vereadores, lideranças, representantes de entidades, secretários de saúde, trabalhadores de hospitais e outros profissionais da área da saúde, como enfermeiros e dentistas. O deputado federal Dionilso Marcon (PT) também esteve presente.

Edegar Pretto também visitou a Associação Comunitária Hospitalar de Aratiba (ACHA), hospital que presta atendimento clínico para o município 24 horas por dia, 90% SUS, e é porta de entrada para urgência e emergência. Para 33 municípios da região, a ACHA é referência em atendimento de oftalmologia e otorrinolaringologia, com consultas, tratamentos e cirurgias 100% SUS. Prestes a completar 36 anos, a instituição é uma associação comunitária, que tem repasse financeiro da prefeitura e também já recebeu emendas propostas pelos deputados federais da bancada do PT e do senador Paulo Paim (PT). A partir do mês de dezembro, a ACHA passará a atender em mais duas novas especialidades pelo SUS, para toda a região, Dermatologia e Reumatologia.

Na ACHA, Edegar Pretto foi recebido pela presidenta da associação, Neuza Fátima Munaro Appelt; pelo diretor geral do hospital, Lucir De Conto; a diretora administrativa, Rosane Mocellin; o supervisor de faturamento, Carlos Ody e a gerente de contabilidade, Ani Flávia Terribile.