“Não há nação desenvolvida sem a valorização das universidades”, afirma Edegar Pretto na Região Sul

Na Universidade Federal do Rio Grande (FURG), nesta quinta-feira (11), o deputado estadual Edegar Pretto (PT) destacou a importância de retomar os investimentos e a valorização do ensino superior acessível e de qualidade. Na visita, o parlamentar foi recebido pelo vice-reitor Renato Duro e pela ex-reitora Cleuza Dias. Pretto cumpre agenda na região até sábado, com a tarefa de ouvir lideranças locais de vários setores produtivos, com foco em temas que tratam do desenvolvimento regional, experiências e produção das universidades e situação econômica da Metade Sul. “Essa nossa jornada faz parte da missão de percorrer o estado para buscar humildemente o direito de escutar e de ser escutado”, observa.

Conforme o deputado, o objetivo desse roteiro é focar na questão da educação e conhecimento, e mostrar a importância da universidade na vida das pessoas e das regiões. “Nossa proposta é de desenvolvimento regional e de valorizar todas as experiências que as universidades têm. Trabalhar a questão futura, o que sonhamos para o nosso país e o nosso estado”, acrescenta.

Quando foi presidente da Assembleia Legislativa em 2017, Edegar Pretto teve um grande envolvimento com reitores, reitoras e comunidade acadêmica para restituir parte do orçamento das universidades e institutos federais, que havia sido cortado pelo governo federal. No encontro em Rio Grande, o deputado lembrou que o mundo vive ainda um momento de pandemia, onde as universidades tiveram um papel fundamental na pesquisa e no conhecimento. Mas segundo ele, no Brasil foi diferente, e mais uma vez o governo federal cortou recursos, com impacto negativo na educação, tecnologia, ciência e pesquisa.

A FURG tem 52 anos de existência e mais de 9 mil estudantes de graduação, considerada de grande importância ao desenvolvimento da Metade Sul. O vice-reitor, Renato Duro, lembra que a instituição tem a característica de ser uma universidade inclusiva, portanto, deve ser pensada como espaço de desenvolvimento humano e regional. “A presença do deputado aqui simboliza um compromisso com o trabalho da universidade”, avalia.

Pretto defende que o conhecimento produzido nas universidades precisa ser melhor aproveitado, com mais oportunidades geradas aqui mesmo no estado. “Nos governos do PT, sempre tivemos um olhar diferente para a educação como um todo. Olívio Dutra criou a UERGS. Tarso Genro investiu nas universidades comunitárias. O presidente Lula criou 18 novas universidades, e a população universitária quase triplicou, e saltou de 3 milhões para 8 milhões até o final do governo Dilma”, lembra.

O deputado ainda destaca que nos governos petistas foi constituída uma rede de cooperação com as universidades. Segundo ele, isso precisa ser retomado. “Nosso país não pode abrir mão da educação pública e gratuita de qualidade. Nós temos um número inimaginável de jovens que dependem da estrutura pública para a sua formação”, observa.

Ciência além da sala de aula

Ainda na Região Sul, o deputado também esteve na Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Foi recebido pela reitora Isabela Andrade, acompanhada do ex-pró-reitor, Otávio Peres; e da pró-reitora de assuntos estudantis, Rosani Brandão. A reitora lembrou que a universidade conduziu o trabalho de um grupo de pesquisadores epidemiologistas, coordenados pelo professor Pedro Hallal, o EPICOVID-2019, que foi o primeiro estudo brasileiro que investigou o número de infectados pelo novo coronavírus. O levantamento teve início no Rio Grande do Sul e contou com a parceria de outras universidades gaúchas, e a partir daqui o trabalho teve reconhecimento nacional. “Isso mostra que aqui se faz ciência e se produz muito além das salas de aula”, disse Isabela.

Para o deputado, todo o acúmulo de conhecimento das universidades não tem sido aproveitado da maneira que deveria. Ele defende que as universidades precisam estar no centro das políticas públicas, com maior participação no desenvolvimento regional. “Aqui é onde estão integrados professores, estudantes, doutores, pós-doutores pesquisando, elaborando materiais e novas técnicas. Vale lembrar que muitos técnicos estão sendo formados em nossas universidades, e acabam indo embora por falta de oportunidade. O estado que queremos reconstruir é o estado que vai olhar, vai valorizar e aproveitar o conhecimento das universidades”, afirma Pretto.

Também acompanharam as agendas os deputados estaduais petistas Fernando Marroni e Zé Nunes; o ex-prefeito de Rio Grande, Alexandre Lindenmeyer; e dirigentes do PT na região. O roteiro de interiorização do movimento ‘Rio Grande e presente, para toda a sua gente’, é liderado por Edegar Pretto, e vai percorrer todas as regiões do estado. Pretto é o nome do PT como pré-candidato ao governo do RS nas eleições de 2022. Os diálogos do movimento na região Sul ocorrem até sábado, passando por Rio Grande, Pelotas, Capão do Leão e São Lourenço do Sul.