FETRAF-RS aponta propostas da agricultura familiar para plano de governo de Edegar Pretto

O pré-candidato ao Governo do Estado pelo PT, Edegar Pretto, se reuniu neste sábado (09) com dirigentes da Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (FETRAF-RS). O encontro ocorreu na Casa Santa Cruz, que fica na Vila Tupinambá, em Passo Fundo. Na pauta, a reconstituição do conjunto de políticas públicas para a agricultura familiar no estado. A entidade entende que o setor, junto com os movimentos dos campo, é capaz de produzir alimentos, gerar emprego e ajudar o estado a enfrentar um dos piores problemas dos últimos anos, o da fome.

Para Edegar Pretto, que durante os seus três mandatos no parlamento gaúcho sempre esteve à frente das reivindicações dos agricultores, este é um assunto que precisa ser tratado com muita seriedade, diferente do que o governo atual vem fazendo, pois durante uma das piores secas dos últimos 70 anos, a de 2022, o setor foi abandonado.

Douglas Cenci, dirigente da FETRAF-RS, junto com outros integrantes da direção, entregou ao pré-candidato um documento feito com a participação de universidades. O ofício traz como tema central a produção de alimentos e o combate à fome. Segundo ele, a federação vai criar comitês contra a fome e pela vida nos municípios, que servirão também para a organização dos agricultores. “Nós precisamos de um amplo programa de produção de alimentos que articule as diversas áreas e demandas da agricultura familiar, como estruturas, financiamentos, assistência técnica, políticas públicas para as mulheres e para os jovens, questões geracionais, entre outros eixos”.

Edegar Pretto disse que o documento é uma boa síntese para defender o plano de governo que ele quer construir. “Vou contar muito com a ajuda dos movimentos do campo para fazer uma formulação que contemple toda a agricultura familiar e os pequenos agricultores. O momento é de ousadia, de renovação e de não frustrar essa nova geração que está conosco nessa caminhada. As pautas apresentadas aqui, como educação, energia, infraestrutura, é o mínimo que o Estado tem que garantir.” Ressaltou.

Na reunião, também foi destacado que a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS) pode contribuir com as entidades vinculadas à agricultura familiar, sobretudo, como um braço atuante no interior do estado, desde que tenha investimentos e mais professores engajados e capacitados para apoiar as instituições e fortalecer a produção de alimentos.

Outras demandas expressas no documento da FETRAF

O documento entregue ao pré-candidato trouxe uma série de itens a serem considerados na formulação de políticas públicas para o setor, como o fortalecimento da assistência técnica pública; pesquisa e tecnologia voltadas para a produção de alimentos saudáveis, de sementes e de insumos; constituição de um fundo ambiental, garantindo apoio para o armazenamento de água, irrigação e enfrentamento aos impactos provocados pelos eventos climáticos; melhoria da qualidade da energia elétrica e apoio à geração de energia renovável nas propriedades; acesso à internet no meio rural; retomada da política de habitação;

garantia de acesso à terra a agricultores que desejam permanecer no campo; criação de políticas públicas a fim de alcançar a igualdade de gênero; combate à violência doméstica, especialmente às trabalhadoras rurais; políticas para permanência das mulheres e jovens no campo e valorização do salário mínimo.

Assembleia popular em Passo Fundo

Também em Passo Fundo, na manhã de sábado, Edegar Pretto realizou mais uma assembleia popular regional. O encontro, que está percorrendo todo o Rio Grande do Sul para ouvir as prioridades de cada localidade, tem o objetivo de elencar os temas principais para incluí-los no plano de governo do pré-candidato para a disputa ao Piratini.

Essa edição da assembleia, que é a sexta de um total de 10, reuniu representações dos municípios que fazem parte dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes) Médio Alto Uruguai, Nordeste, Norte, Produção, Alto da Serra do Botucaraí e Rio da Várzea.