Escola de samba de viamão homenageia deputado adão pretto e a agricultura familiar

A produção de alimentos saudáveis incentivou a Escola da Samba Unidos de Vila Isabel, de Viamão, a levar para a avenida no Carnaval do Grupo Especial de Porto Alegre o tema sobre a luta do ex-deputado Adão Pretto em defesa da agricultura familiar. A história do político gaúcho – falecido em 2009 – estará no sambódromo do Complexo Cultural Porto Seco a partir das 3h15min do próximo domingo (7), com um enredo que mostrará a natureza, pequenas propriedades, a crítica à monocultura e a trajetória de lutas no campo na figura de Adão Pretto.

O enredo destaca a importância de Adão na comunidade da Vila Santa Isabel e seu trabalho voltado aos agricultores familiares e produção de alimentos saudáveis. Adão foi o primeiro colono que se tornou deputado estadual no Rio Grande do Sul, em 1986, e no ano seguinte mudou-se com sua família de Miraguaí, no Noroeste do Estado, para Viamão, município da Região Metropolitana de Porto Alegre. “A comunidade da Santa Isabel nos acolheu e hoje faz esta justa homenagem, não só ao primeiro colono que se tornou deputado, mas ao importante e estratégico trabalho da agricultura familiar”, diz o deputado Edegar Pretto, um dos filhos de Adão.
O enredo “Brava gente guerreira: as mãos que alimentam a nação brasileira”, lembra que a agricultura familiar é feita por pessoas humildes que trabalham por igualdade, fartura e produção sem veneno. Também faz uma crítica ao modelo de produção agrícola que polui e prejudica a vida e o meio ambiente. “O que caracteriza essa questão da agricultura familiar também são as lutas travadas pela terra e as formas de produção, e nesse processo surgem várias lideranças. Adão Pretto foi referência de luta, e por seu legado e convívio que teve conosco optamos por homenageá-lo”, explica o presidente da Escola, Cléber Tavares.

Outro motivo que levou a Escola a destacar o tema da agricultura familiar no Carnaval de Porto Alegre é a importância do campo e a relação com a cidade. A comunidade levou em conta o fato que 70% dos alimentos produzidos que vão para a mesa dos brasileiros são produzidos por agricultores familiares, e que é na pequena agricultura que acontece a maioria dos empregos no campo.

O trabalho no barracão da Escola no Porto Seco segue em pleno vapor com a confecção das fantasias dos componentes e alegorias. Ao todo estarão desfilando 1,5 mil pessoas, entre elas acampados, assentados da Reforma Agrária, familiares e amigos de Adão – num conjunto de quatro carros alegóricos, 19 alas e uma bateria com 180 ritimistas.