Em área da Reforma Agrária, Romaria da Terra evidencia a alimentação saudável

Devoção, fé e palavras de ordem em defesa da produção de alimentos saudáveis. Assim foi expressada a fé dos romeiros e romeiras que participaram da tradicional Romaria da Terra do Rio Grande do Sul, realizada sempre na terça-feira de Carnaval. A 42ª edição aconteceu no Assentamento do MST Conquista da Luta, no município de Itacurubi, a mais de 500 quilômetros de Porto Alegre.

Sob forte calor, cerca de cinco mil romeiros caminharam com faixas, bandeiras e cartazes exaltando o lema da romaria, que este ano deu destaque ao tema da alimentação saudável, com abordagem sobre o modelo de produção no campo e da necessidade de um novo modelo agrícola. Tradicional romeiro, o deputado Edegar Pretto (PT) participou da caminhada e carregou o andor com a cruz em parte do trajeto de três quilômetros até a sede do assentamento. Ele participa da Romaria desde os 10 anos de idade, quando acompanhava o pai – o deputado Adão Pretto, falecido em 2009.

Representante da agricultura familiar e assentados, Edegar tem como uma de suas principais bandeiras a defesa da alimentação saudável. Ele anunciou que reapresentou na Assembleia Legislativa seu projeto para rotulagem de embalagens de alimentos. Assim como os orgânicos são certificados, o deputado defende que os demais alimentos também tragam no rótulo quais as substâncias químicas usadas na produção. “Os consumidores têm o direito de saber o que comem, com uma alimentação que represente saúde, e não a doença”, resumiu.

Reforma da Previdência
Na chegada ao assentamento houve missa campal, que também tratou do tema da alimentação saudável. Depois, na Tribuna Popular, camponeses e representantes de diversas organizações destacaram a perda de direitos por meio da proposta de Reforma da Previdência de Bolsonaro. Essa é considerada pelos movimentos populares como prejuízo aos trabalhadores, principalmente às mulheres, pois os fará trabalharem mais e receberem menos.

Outro ponto muito criticado foi o fato de que brasileiros vivem menos em regiões pouco desenvolvidas, e não desfrutarão do benefício merecido. “Não podemos aceitar essa mudança na Previdência pública que só prejudica o trabalhador. Vamos ampliar as mobilizações, no campo e na cidade, ir às ruas e evitar que o Congresso concretize essa reforma sem qualquer diálogo com o povo”, comentou o deputado Edegar Pretto.

De acordo com a coordenação da Romaria da Terra, ao completar 42 anos, a atividade itinerante reforça seu status de referência na celebração em defesa de lutas populares e reivindicações de direitos dos trabalhadores e de temas que importam a toda a sociedade.  Esta foi a primeira vez que Itacurubi recebeu o evento, promovido pela Comissão Pastoral da Terra (CPT). A 42ª edição teve o apoio do MST, da Diocese de Uruguaiana, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e da prefeitura do município. Além da caminhada e celebração, a Romaria também contou com partilha de alimentos, tendas com exposição e venda de produtos variados.

A sede da Romaria
O Assentamento Conquista da Luta foi criado em 18 de dezembro de 2006, em uma área de 3.730 hectares. Ele está situado a 20 quilômetros do perímetro urbano de Itacurubi. As 160 famílias que lá vivem produzem diversidade de alimentos para autoconsumo e lidam, principalmente, com leite e hortaliças orgânicas para comercialização.

O local também acolheu o 14º Acampamento da Juventude da Romaria da Terra, que reuniu cerca de 200 jovens de diversos municípios. Teve espaços de formação, reflexão e organização dos jovens que buscam construir uma nova sociedade, com valores de comprometimento com a terra, a permanência no campo e a produção de alimentos saudáveis.