Edegar Pretto homenageia os 80 anos da Escola Sergipe, de Eldorado do Sul

O deputado Edegar Pretto (PT) homenageou, no Grande Expediente da sessão plenária desta terça-feira (5), os 80 anos da Escola Estadual de Ensino Fundamental Sergipe, localizada no distrito de Bom Retiro, em Eldorado do Sul. O estabelecimento é a instituição pública mais antiga do município. A Escola Sergipe, desde a sua criação até hoje, desempenha o papel integrador das comunidades do Bom Retiro e arredores”, frisou o parlamentar.

O petista contou uma série de histórias que têm como ponto comum a dedicação dos professores e servidores da instituição, como o caso da professora Lise, que trabalhou na escola na década de 1950. Ela viajava de barco de Porto Alegre até Guaíba e após se dirigia até Bom Retiro pelas estradas de chão, retornando para casa somente na sexta-feira. Durante a semana, se hospedava em uma pensão com outras colegas. “Histórias se multiplicaram ao longo dos tempos, como as das professoras e professores que iam de carona na kombi do professor Mareu Antenor do Nascimento”, narrou.

Nova sede
Foi durante o governo de Leonel Brizola, que se notabilizou pela multiplicação de escolas no Rio Grande do Sul, que a instituição ganhou um novo prédio, já que o antigo, cedido pela Companhia Fábrica de Papel e Papelão, não se encontrava em boas condições. O estabelecimento foi fruto do Programa Nenhuma Criança Sem Escola, cuja meta era erradicar o analfabetismo no Estado.

A nova escola foi inaugurada em 1960 numa área próxima à capela São José, onde permaneceu por cerca de cinco décadas. No final desse tempo, as condições do prédio se tornaram precárias. Em março de 2009, a professora Claudete Oliveira assumiu a direção da Escola Sergipe, cujo prédio foi interditado. Os 96 alunos da época foram transferidos para o Salão da Igreja da Comunidade Católica São José. Em agosto de 2011, parte das instalações foi destruída por um incêndio. “Foi o maior desafio de toda a história da Escola Sergipe. Como reconstruir? Muitas dificuldades foram enfrentadas pelos professores e alunos no salão da igreja, pois a instalação não possuía a estrutura necessária para o funcionamento adequado de uma escola”, apontou o deputado.

Segundo ele, várias campanhas foram realizadas para reconstruir o salão. A equipe diretiva e a comunidade escolar decidiram iniciar uma campanha para que a escola se mantivesse no distrito de Bom Retiro. Em 2012, foi inaugurado um prédio provisório, próximo às ruínas da antiga Fábrica de Papel e Papelão, que atualmente abriga a escola. “Desde essa época, estão aguardando a doação de um terreno para a reconstrução do prédio e, consequentemente, a instalação da escola de ensino médio”, registrou.

Atualmente, a Escola Sergipe possui 182 alunos no ensino fundamental, distribuídos nos três turnos. Os alunos são atendidos por um grupo de 21 profissionais.  “O grupo de estudantes é composto por alunos e alunas que moram no Assentamento Belo Monte, no acampamento do Movimento dos Sem-Terra (MST), na Vila do Bom Retiro, e nos sítios e fazendas que ficam nas redondezas. Muitos dos pais e avós dos alunos também foram estudantes da Escola Sergipe”, contou Pretto.

A maioria dos alunos, segundo ele, têm pouco ou nenhum contato com a zona urbana. “As comunidades que a escola atende carecem de atividades de lazer e culturais. A paisagem natural do campo, no entanto, favorece uma vivência mais tranquila, longe do ambiente agitado e violento das cidades e influencia o comportamento dos estudantes que, em comparação com os alunos das escolas urbanas, são menos agitados e valorizam as vivências proporcionadas pelo ambiente escolar. Fica evidente, nos estudantes, uma postura de respeito em relação aos seus professores”, enfatizou.

Na avaliação do petista, a comunidade do Bom Retiro, mesmo tendo uma atenção especial do Poder Executivo municipal, sofre um relativo isolamento, pois não possui ligação por transporte público com a sede do município. “Não possui serviço de telefonia móvel e, em muitas residências, nem sinal de TV. Isso justifica a demanda da comunidade, que é a implantação do ensino médio na localidade, pois após concluírem o ensino fundamental, os alunos necessitam se deslocar por 42 quilômetros para continuar os estudos dentro do município no turno da noite ou se deslocarem até o município de Guaíba”, apontou.

Prêmios e distinções
Em 2012, os alunos participaram do Festival Nacional de Cinema Estudantil de Guaíba e, de lá para cá, a escola teve suas produções premiadas em todos os anos. Foram um total de 11 premiações e uma participação, em 2013, no Festival de Cinema de Gramado, em uma amostra alternativa de vídeos estudantis. A Escola Sergipe, em 2017, teve dois alunos que receberam menção honrosa nas Olimpíadas de Matemática e um aluno aprovado para cursar o ensino médio no Instituto Federal de Educação de Charqueadas. “Ao longo de sua história, a Escola Sergipe, mudou algumas vezes de endereço, mas manteve-se sempre na localidade do Bom Retiro. Ao longo desses 80 anos, essa instituição de ensino formou, em nível fundamental, inúmeros estudantes que seguiram seus caminhos, mas nunca esqueceram os anos que passaram pela Sergipe, como é carinhosamente conhecida. Lembranças da banda, do coral, das músicas, da merenda, das aulas de educação física, de matemática, de história, dos professores, das atas, das artes, enfim, todas essas recordações levam ex-alunos e ex-alunas a terem a certeza de que tiveram um papel significativo na construção da história dessa valorosa instituição pública”, lembrou.

Por outro lado, Pretto chamou a atenção para “uma cruel realidade”, representada pela falta de oportunidade para que a maioria dos alunos concluam o ensino médio. “Dos últimos anos para cá, observa-se que conseguiram concluir os seus estudos no ensino médio apenas aqueles que tiveram condições financeiras que lhes permitiram se deslocar diariamente de sua comunidade para centros urbanos distantes”, lamentou.

Conforme o deputado, somente 25% dos alunos que passam pela Escola Sergipe têm a oportunidade de concluir seus estudos. “Ao restante, principalmente meninas, é negado esse direito. E, para elas resta, muitas vezes, a maternidade e o matrimônio precoce e as reduzidas oportunidades de vida”, afirmou.

O petista defendeu ainda a construção de escolas de Ensino Médio na zona rural. “Precisamos oportunizar a todos, sem exclusões, a conclusão de seus estudos ao menos em nível médio e, sobretudo, a possibilidade de formação no espaço em que mora, onde sempre teve as suas vivências, sem precisar se deslocar por grandes distâncias e ter que superar obstáculos que, por vezes, ainda não se encontra em condições de enfrentar”, finalizou.

Apartes
Os deputados Edson Brum (MDB), Ronaldo Santini (PTB), Juliana Brizola (PDT), Zilá Breitenbach (PSDB), Stela Farias (PT) e Missionário Volnei (PR) se manifestaram por meio de apartes.

A homenagem foi acompanhada por autoridades de Eldorado do Sul, estudantes, professores, servidores e membros da comunidade de Bom Retiro.