Conheça Edegar Pretto, guri do Adão e da dona Otília

Edegar Pretto tem 51 anos. Nasceu em Miraguaí, município da Região Celeiro, e é filho de agricultores familiares. Seu pai, Adão Pretto, trabalhou no campo e foi deputado federal – falecido em 2009. Edegar, o guri do Adão, aprendeu desde pequeno a lutar pelos menos favorecidos, no campo e nas cidades. Com sua mãe, Otília Pretto, também aprendeu que todas as mulheres devem ser protagonistas de suas vidas, livres e respeitadas.

Edegar cresceu acompanhando o pai por todo o Estado, primeiro com o Adão Pretto trovador, sindicalista e depois ainda muito jovem, com o Adão Pretto deputado. Também acompanhou sua mãe na luta pela aposentadoria da trabalhadora rural e viu que, no dia a dia, não existem tarefas de homens e tarefas de mulheres. Se as mulheres vão para a roça trabalhar, os homens também devem fazer a sua parte dentro de casa.

Edegar Pretto veio do cabo da enxada. Tem muito orgulho dos pais, da origem humilde e de tudo que conquistou com muita luta e diálogo. Saiu da roça e graduou-se em Gestão Pública. É pai do Yuri, do João e do Ângelo.

Na vida pública, Edegar Pretto está em seu terceiro mandato como deputado estadual, sendo o mais votado do PT nas três eleições das quais participou. Em 2017, foi presidente da Assembleia Legislativa. Na última eleição, fez votos em 473 municípios e acumula a marca de ser o mais votado da história do PT no Legislativo estadual.

 

Experiência e liderança

A primeira lei de Edegar Pretto como deputado estadual, logo nos três primeiros dias do seu mandato, foi a Lei que instituiu o Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (SUSAF) conhecida como Lei das Agroindústrias Familiares. Antes da lei, os empreendimentos só podiam vender em seus municípios. Hoje, as agroindústrias familiares podem comercializar seus produtos em todo o território gaúcho.

Em 2017, na presidência da Assembleia Legislativa, Edegar lutou por mais recursos para o RS ao liderar o processo de cobrar da União o ressarcimento das compensações da Lei Kandir. Ele também priorizou a defesa do ensino público, o direito à alimentação saudável e ações pela igualdade de gênero e pelo fim da violência contra as mulheres. Edegar Pretto é coordenador do comitê gaúcho Eles Por Elas (He for She), da ONU Mulheres – único comitê estadual autorizado pela ONU no mundo.

Na presidência da Assembleia, Edegar também lutou para barrar as privatizações da CEEE, da Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e da Sulgás. Essas são algumas das ações de Edegar Pretto em favor de um Rio Grande do Sul mais justo e com melhores oportunidades de vida para todas e todos.

 

O Rio Grande que o povo quer

Como pré-candidato ao Governo do Rio Grande do Sul, Edegar Pretto vem fazendo o que muitos outros não fazem: ouvir as pessoas. É com os olhos nos olhos que Edegar projeta e busca resultados, novas ideias, novos caminhos para resolver velhos problemas. O povo gaúcho já viveu nos governos de Olívio Dutra e Tarso Genro um Estado de pujança, investimentos e comida na mesa; e sabe que Edegar é da mesma escola que ensina que a dignidade das pessoas deve estar sempre em primeiro lugar.

Sobretudo, Edegar é um homem público preocupado em apresentar soluções reais para os problemas reais das pessoas. “Minha trajetória e minha experiência política me prepararam para o desafio de governar o Rio Grande. Conheço nosso Estado de ponta a ponta e vejo, em cada olhar, a esperança de ter uma vida melhor. Junto com Lula quero priorizar os mais pobres, com renda e comida na mesa. Quero colocar nosso estado nos trilhos do desenvolvimento, com uma gestão moderna, verde e forte, gerando empregos e mais oportunidades para toda nossa gente”, garante Edegar Pretto. Palavra de gaúcho!