“Concessão de rodovias precisa gerar benefício aos dois lados: da concessionária e da população

Convidado pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Gabriel Souza (MDB), o deputado e presidente da Comissão de Segurança e Serviços Públicos, Edegar Pretto (PT), participou do ato em que a empresa CCR ViaSul anunciou o início das obras de duplicação da BR-386, previsto para esta semana. O evento ocorreu na presidência do Legislativo nesta segunda-feira (10). Também foi anunciado investimento da empresa nas quatro rodovias que são administradas pela concessionária – BRs 386, 290, 101 e 448.

O presidente da Assembleia destacou que as melhorias são fundamentais para fomentar as potencialidades do estado, trazer mais segurança aos motoristas e garantir o desenvolvimento regional. Disse ainda, que as obras são essenciais para o desenvolvimento econômico, e contribuem para preservar vidas de quem circula nas rodovias.

Conforme a empresa, a expectativa é de que o empreendimento gere 1.200 empregos diretos e indiretos. A primeira etapa da duplicação compreende o trecho entre Marques de Souza e Lajeado, totalizando cerca de 20 quilômetros. A previsão é concluir os primeiros 10 quilômetros até fevereiro de 2022 e os 10 quilômetros restantes até fevereiro de 2023. A concessionária estima duplicar em torno de 170 quilômetros da BR 386 (entre Lajeado e Carazinho) nos próximos nove anos.

Ao saudar o presidente da Assembleia e o diretor presidente da CCR Via Sul, Fausto Camilotti, o deputado Edegar Pretto lembrou de algumas ações que fez como presidente do Parlamento gaúcho, em 2017. Naquele ano, o governo federal lançou editais de novas concessões das estradas gaúchas. Pretto citou quatro audiências públicas realizadas para discutir com as comunidades atingidas o novo modelo de concessões. Relatou ainda que liderou em Brasília uma grande comitiva de deputados estaduais e federais, senadores e lideranças, em uma audiência com o então Ministro dos Transportes, Maurício Quintela. “Haviam dúvidas.Solicitamos maiores detalhes do projeto e, principalmente, a ampliação do debate com a comunidade quanto ao novo modelo que seria implantado. Queríamos ouvir mais as comunidades e esclarecer o que se pretendia com estas concessões”, informou.

Edegar Pretto também mencionou que o Rio Grande do Sul sofreu por 15 anos com uma concessão de rodovias muito mal feita. “Lutamos muito para que aquele modelo fosse finalizado, como de fato ocorreu. Graças a este grande esforço de todos e todas, conseguimos avançar nas negociações e vários itens foram mudados ou incluídos no edital lançado pelo governo federal no segundo semestre de 2017”, observou.

O deputado reafirmou que, como presidente da Comissão de Segurança e Serviços Públicos, tem a responsabilidade de acompanhar os serviços concedidos, e que está no plano de trabalho da Comissão o acompanhamento dos Programas de Concessões de Rodovias do Estado e da União no Rio Grande do Sul, tendo em vista que o processo de privatização em questão consiste em o governo entregar as rodovias à iniciativa privada por um período de 30 anos.

Pretto finalizou falando da necessidade de apresentar este assunto de forma nítida à população, pois, segundo ele, é fundamental não esquecer que não somente quem passa pelo pedágio é quem paga, e sim toda a população, tendo em vista que as mercadorias e serviços trazem no seu custo o preço do pedágio. Apontou ainda, que não se trata de dizer se é a favor ou contra pedágios, mas de observar que concessão de rodovia precisa gerar benefício para os dois lados: o da concessionária e o da população. “Precisamos cada vez mais de obras em estradas como estas. Que em breve, tenhamos a possibilidade de celebrar as obras realizadas, pois elas são fundamentais para a economia e o desenvolvimento do nosso estado”, concluiu.